Conversa de Costura

Acabamento

28 Setembro, 2017

Esta semana, iniciei um projeto que tem muito a cara deste mês de Setembro, dos DIY que vos tenho trazido, do regresso às aulas. Estou a confecionar um bibe, para um menino de quem gosto muito e merece ter o bibe com mais cool de todos os tempos.

Quando terminar, irei falar um pouco da sua construção, mas hoje o tema será voltado para os acabamentos de uma peça.

Nos tempos em que comecei a costurar roupa, estava a aprender uma nova área e não dava muita atenção ao acabamento interno que as peças teriam, aliás, essa informação não me foi passada como importante. Copiava o molde, dava 1 cm de margem de costura em todas as partes do molde (exceto nas bainhas), passava a corte e cose e já estava o assunto arrumado. No caso de não conseguir usar a corte e cose, podia fazer zig zag na margem.

Deixei de fazer muitas peças, pois ainda não tinha uma corte e cose e não gostava nada do acabamento do zig zag. Não estou a dizer que o acabamento da corte e cose ou o zig zag são  maus, nada disso. Tenho duas máquinas de corte e cose, temos uma relação amo-ódio e já me safaram de muita, muita coisa. Estou a dizer que dado ser uma pessoa que nunca está satisfeita com a informação que tem sobre um determinado assunto, cada vez mais uso tempo para aprender mais e mais sobre costura. Neste caso, mais e mais sobre acabamentos em peças. Estas minhas pesquisas, incluem muito Youtube, mais do que alguma vez eu imaginei. (qualquer dia falo-vos dos meus canais preferidos)

Nesta imagem, podem ver o exemplo de um casaco que fiz para a minha cunhada, e o acabamento foi todo feito na corte e cose. Percebem o que quero dizer com fazer melhor? Podia ter feito de várias outras formas, mas na altura não tinha as bases que tenho hoje. Outro acabamento, daria mais valor àquele casaco (que ficou lindo, mesmo assim.)

Então, quer dizer, eu gasto tempo a desenhar um molde e a ajustá-lo para que fique tudo certo, vou a uma loja escolher o tecido mais indicado, corto e costuro e não dou a devida importância ao acabamento? Deixou de me fazer sentido há uns tempos, e foi uma situação que se passou este ano que me fez pensar mais nisso.

Quando desenhei o molde do bibe e me preparava para cortar o tecido, pensei que este projeto tinha de ser mesmo especial e o mais bem feito possível. Assim, disse para mim mesmo que não iria usar a corte e cose em nenhum acabamento, iria arranjar outra solução, mais perfeita e mais dedicada.

O bibe é composto por 8 partes: 2 laterais da frente, costas, 2 mangas, 2 tiras para o abotoamento e uma faixa para as costas (possivelmente ainda irei adicionar bolsos)

Molde desenhado consonante as medidas do pequeno, é hora de decidir então que acabamentos aplicar. Destaco a costura francesa (aqui), a costura inglesa, viés (irei ensinar ambos) e bainhas dobradas.

Os acabamentos usados nas duas frentes e costas são os que estão no 1º desenho. Nas duas tiras de abotoamento (no desenho designada como carcela, mas julgo não se chamar assim) as costuras ficam todas escondidas, apenas se vê o pesponto. Nas mangas, usei a costura francesa para unir e nas cavas irei colocar viés.

Posso dizer-vos que estou a gostar muito do resultado e estou ansiosa por vos mostrar.

Costurar algo para alguém, é colocar muito do nosso ser nessa peça: é dedicação, tempo, arte, gosto. Então, vamos tentar fazer o nosso melhor e dar sempre mais em cada peça que produzimos.

Desse lado, alguém se identifica com este texto? Podem comentar aqui no post, enviar email através da página de contactos ou enviar mensagem nas redes sociais das Dicas de Costura

Boas costuras

Only registered users can comment.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.